Domingo, 21.Jan.2018



"Operação Tubarão" cumpre 28 mandados de prisão e desarticula associação criminosa que vendia drogas até no cartão de crédito

Grupo que foi "desmontado" pelo Denarc agia no litoral aracajuano, possuía carros de luxo e tinha alto poder de comercialização.


19/12/2017 07:58
Compartilhar no Whatsapp
Imprimir

O Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc) e várias equipes da Polícia Civil cumprem desde as primeiras horas desta terça-feira (19), 28 mandados de prisão preventiva e outros 29 de busca e apreensão contra uma associação criminosa responsável pelo tráfico de drogas na região litorânea de Aracaju. As investigações da "Operação Tubarão” mostram que a associação criminosa era composta por quatro núcleos de comando e é a principal responsável pelo tráfico de cocaína, crack e maconha na capital. 

 As investigações, acompanhadas pela Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol), começaram no mês de julho de 2017 e mostram que a zona de abastecimento do grupo é a região sul de Aracaju (SE), com destaque para os Bairros Coroa do Meio, Atalaia, Farolândia e São Conrado, além dos Conjuntos Orlando Dantas e Augusto Franco.

Outra característica do grupo é a extrema violência. Com o monitoramento e investigações, equipes da Polícia Civil chegaram a intervir e frustrar homicídios encomendados pelos chefes da associação criminosa contra outros traficantes e usuários de drogas. Todas as vezes que a polícia identificava preparativos para a prática de homicídios, saturava a área com equipes policiais e evitava que o crime fosse cometido.  

Outro detalhe é que a droga chegava a ser vendida através de cartão de crédito e de débito. Os chefes da quadrilha possuíam carros de luxo, identificados durante a operação como um Land Rover e um Volvo.  

Dentre as descobertas, no transcorrer das investigações a polícia detectou que não se tratava de um simples grupo de traficantes, mas sim de uma associação criminosa composta por quase 30 pessoas, estruturalmente ordenada e com divisão de tarefas voltadas para aquisição de substâncias entorpecentes no sudeste brasileiro para distribuição em bairros sergipanos. 

Desta quadrilha, nas investigações realizadas pelo Denarc durante o ano, cerca de 300 quilos de drogas foram apreendidas pela investigação policial.  

Uma das ações foi na prisão no dia 09 de outubro deste ano, quando foi presa Ana Paula Pereira da Silva. Com ela, foram apreendidos 101 tabletes de maconha pesando 119,65 quilos dois quilos de crack, 1,5 quilo de cocaína e uma balança de precisão. Tudo isso em um quarto de crianças de 13, 10, seis e quatro anos de idade. 

Por SS-SE.

 


Compartilhar no Whatsapp
Imprimir