Segunda, 15.Jul.2019



Suspensão de concurso da PM vale apenas para edital de soldado

A decisão é fruto de embargos de declaração interpostos por dois candidatos que foram habilitados no resultado final.


07/08/2018 13:04 - Atualizado em 07/08/2018 13:07
Compartilhar no Whatsapp
Imprimir

Em novo despacho, o juiz Manoel Costa Neto, da 1ª Vara Cível de São Cristóvão, determinou que a suspensão do concurso da Polícia Militar (PM) atinge apenas as provas objetivas para o cargo de soldado. O edital destinado a provimentos de cargos para oficiais continua valendo.

A decisão é fruto de embargos de declaração interpostos por dois candidatos que foram habilitados no resultado final. Eles alegam que a fraude aconteceu para as provas de ‘praças’, e a suspensão lhes foi desfavorável.

“Concedo a liminar pretendida para o fim de suspender os efeitos do ato administrativo correspondente a realização da prova objetiva do concurso para soldado da Polícia Militar do Estado de Sergipe, edital nº 04/2018, impossibilitando o prosseguimento apenas do concurso para soldado, com a realização de novas etapas, e, determinando, ainda, a realização de uma nova prova objetiva, sob pena de multa única de R$100.000,00 (cem mil reais)”, determina o magistrado.

Entenda o caso

No dia 1º de julho, data de realização das provas da Polícia Militar (PM), os irmãos Hygor Ayslan Oliveira Lima, 28 anos, e Aylton Hytalo Oliveira de Lima, 26, foram flagrados com telefones celulares escondidos durante a aplicação do exame. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o que chamou a atenção é que Hygor foi flagrado, logo após a prova, com um aparelho celular escondido dentro de um gesso, que protegia o braço esquerdo de uma suposta fratura. Os irmãos receberiam toques pelo modo vibratório, o que indicaria a resposta correta no momento da prova.

Eles faziam provas em uma universidade particular quando foram encontrados pela Polícia Civil. Ambos confessaram que pagariam até R$ 20 mil pela aprovação. A Polícia já sabe que há mais pessoas envolvidas com a fraude, o que já é elemento de investigação do Cope.

Com base nisso, o magistrado Manoel Costa Neto determinou, no último dia 2, a suspensão do concurso, dos seus atos administrativos e das etapas subsequentes.

Seplag

A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) informou que não foi notificada da nova decisão judicial e, tão logo seja avisada oficialmente, convocará uma entrevista coletiva para tratar do tema.

Por Victor Siqueira, da Infonet.


Compartilhar no Whatsapp
Imprimir