Sexta, 22.Set.2017



Os cuidados essenciais antes de abrir uma franquia

Por Alexandre Alves*


18/03/2017 04:49 - Atualizado em 18/03/2017 04:51
Compartilhar no Whatsapp
Imprimir

Torne-se empresário para prosperar nos negócios, afastando-se de ser um mero "Pagador de contas". Conheça os cinco pontos essências para o seu sucesso empresarial.

1.    Mitos sobre a margem de lucro e sobre o "reinado" do Empreendedor. 

É típico vermos “depoimentos” e “marketing” de franqueadoras dizendo: 

- Seja um franqueado e mude sua qualidade de vida;

- Franqueado com retorno do investimento em apenas 6 meses;

- Faça parte de nossa rede e seja você o próximo empreendedor milionário; 

Desde pequeno ouço dizer que dinheiro não cai de árvores. E se alguém já viu acontecer, conta para a gente. 

É pacífico no mundo das franquias que um negócio bem administrado tenha retorno de investimento num prazo médio de 18 a 36 meses.

 Com a economia em recessão esse prazo pode ser ainda maior.

Para entrar numa franquia o empreendedor necessita de pesquisas de mercado, feedback de outros franqueados e plano de negócio. A clareza do empreendimento dará ao empresário a certeza de onde ele está e onde terá que chegar para prosperar. 

Não podemos esquecer-nos da falsa expectativa de reinado que é criado para o empreendedor. 

Empreender não tem nada haver com glamour. Ser dono do seu próprio negócio é correr riscos o tempo inteiro. É ter hora para chegar e nenhuma previsão de hora para sair. É ir para casa todos os dias pensando no que fazer para vender e atingir o seu merecido lucro. Empreender é para os fortes.

Empreenda para ter lucro e para prosperar e não para ser um mero "pagador de contas".

2.    A importância do feedback de outros franqueados da rede. 

Quando pensamos em comprar um carro novo, logo nos vem a ideia de pedir o feedback àquele amigo que já tem o mesmo modelo. Isso encurta as descobertas dos pontos negativos e positivos deste produto ainda desconhecido. 

No mundo dos negócios, especialmente do Franchising, ter um feedback com um franqueado da rede que já vive o dia a dia do negócio traz clareza na tomada de decisões. 

O feedback já é tarefa quase que essencial a todo empresário interessado em entrar numa franquia. 

3.    Procure algo que você tenha afinidade. 

Para fazermos algo bem, excepcional, é necessário gostarmos deste trabalho e termos afinidade com esta atividade. 

Imaginem um empreendedor que deseja inaugurar uma escola de reforço de matemática, e o mesmo sempre detestou matérias de cálculo. Terá ele estímulo suficiente para lidar com as dificuldades? Terá este empreendedor expertise para avaliar seus métodos de ensino? 

Empreender é superar obstáculos, é confiar e estar motivado quando tudo está contra você, inclusive quando o mercado só aponta índices de recessão, e essa superação você só terá quando se faz o que se gosta e o que se tem afinidade. 

4.    Sua franqueadora é associada a ABF? Pertence ao grupo de rede de franqueadoras respeitáveis? 

Empreender é correr risco. Correr riscos nunca foi pular de cabeça numa piscina vazia. 

Qualquer franqueadora que se preze e esteja consolidada no mercado terá seu cadastro aprovado pela ABF sendo reconhecida como uma Franqueadora Respeitável.

A Associação Brasileira de Franchising é uma entidade que completará 30 anos de existência em 2017. Sua atuação reserva grande prestígio no mundo das franquias. Como associação, fecha grandes acordos com sistemas de informática, bancos, prestadores de serviços em geral os quais são revertidos aos associados. 

Na hora de fechar um contrato de franquia busque conhecer se a franqueadora é classificada pela ABF.

5.    COF. Circular de Oferta de Franquia. As regras do jogo. 

A Circular de Oferta de Franquia (COF) é um contrato no qual são descritos todos os direitos e deveres do franqueado e da franqueadora. É neste que irá constar todo o modelo do negócio celebrado entre as partes. 

É imprescindível que o prospecto empresário analise atentamente todos os termos deste contrato, haja vista que muitas vezes, na ânsia de fechar o negócio, deixa-se de lado a devida atenção que este instrumento merece.

Na pratica, após fechar o negócio, o franqueado é submetido às regras de negócio da franqueadora, regras estas que muitas vezes não são adequadas ao comércio da região e que acabam criando pontos de conflito entre as partes.

Essa conduta leva diversos empreendedores ao insucesso empresarial.

*Alexandre Alves é Contador, Advogado e Consultor Jurídico de Empresas. Pós-graduando em Direito Tributário na PUC/MG.


Compartilhar no Whatsapp
Imprimir